sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

A arte imita a vida


Saudações, prezados padawans! Fiquei afastado do blog por um bom tempo, mas nunca longe o suficiente. Sempre dando alguns pitacos nos posts do Cupim. A verdade é que estive ocupado com o mestrado e com a cerveja. Agora que tenho uma nova residência aqui em Manaus, e que dei uma adiantada nas coisas do mestrado, voltarei a postar com maior freqüência (assim espero).

Como tema deste post, resolvi falar sobre uma coisa que tenho familiaridade: entomologia. Sempre quando digo que faço mestrado em entomologia, tendo ainda que explicar que se trata do estudo dos insetos, não são muitas pessoas que se animam com o fato.



Da próxima vez que disser que estou me tornando mestre, direi que vou ser mestre de capoeira. Além de parecer legal, esse cara daí de cima deve pegar mais mulher que eu.

O que a maioria das pessoas não sabe, é que os insetos são os organismos mais diversos do planeta. A sua assombrosa diversidade de espécies reflete uma diversidade igualmente fascinante de formas, comportamentos e modos de vida. Uma vastidão de adaptações, como pode ser visto no gráfico do livro de Grimaldi e Engel:

Este gráfico sempre causa um efeito de "putz!" em jovens estudantes de biologia.

Para tentar mostrar como os insetos são fascinantes, usarei aqui algumas referências sempre legais de ficção científica, cultura pop e atividades humanas que são inspiradas (ou que pelo menos já existiam antes) nos insetos e outros artrópodes.

Ninguém melhor para começar essa tarefa hercúlea que o monstro xodó da ficção científica das gerações de 80 e 90: o Alien.

Sua simpatia conquistou fãs em todo o mundo.


A criatura inventada para causar horror nos espectadores por simbolizar estupro oral homossexual possui algumas características interessantes a se analizar. Seu ciclo de vida começa na fase de um grande ovo, que logo é aberto e dá lugar a uma criatura bizarra que se assemelha com um aracnídeo.

Ou se assemelha com... outra coisa...

Essa criatura de design questionável agarra o rosto de um azarado qualquer e o infecta com a larva. Essa larva acaba rompendo o tórax da vítima e saindo como uma miniatura de Alien, que logo sairá matando alguns coadjuvantes e figurantes a esmo.

Alguns membros da ordem entomológica Hymenoptera (a mesma que formigas e abelhas) possuem um ciclo de vida mais ou menos parecido com esse do Alien. Os insetos holometábolos (que possuem metamorfose completa) possuem as fases de ovo, larva, pupa e adulto. As "vespas" parasitóides da superfamília Ichneumonoidea, por exemplo, são experts em colocar seus ovos dentro de larvas de outros insetos. Algumas espécies se desenvolvem por fora do corpo da vítima, mas outras desenvolvem sua fase larval devorando a larva do outro inseto por dentro, até romper sua parede corpórea e sair para se acasalar. Imagina se todos os filmes da franquia Alien se passassem com personagens crianças. A natureza parece gostar de cenas um pouco mais hardcores que o Ridley Scott. O próprio Darwin argumentou uma vez que um Deus bondoso e misericordioso não criaria uma criatura como um Ichneumonidae, que infecta imaturos de outros insetos para que sua prole a devore por dentro.

Essa bela criaturinha poderia ter sido responsável por fazer Darwin questionar suas convicções religiosas e publicar suas idéias. Que adorável.

Vale lembrar que os membros da superfamília supracitada não são realmente vespas, visto que não pertencem à família Vespidae. Alguns marimbondos que confundimos com vespas, como "marimbondo-cavalo", também não pertencem à família Vespidae, podendo pertencer a Pompilidae, por exemplo.

Um pompilídeo caçando uma aranha. Em alguns lugares, são conhecidos como "marimbondos-cavalo" ou "bestas-aladas-metálicas-seguidoras-de-satã" devido ao seu tamanho.

Mas a inspiração do alienígena nos nossos queridos insetos terráqueos não pára no ciclo de vida parasitóide. Se lembram de como era o corpo da rainha dos Aliens? Com um abdome gigante que não parava de pôr ovos. Infelizmente não encontrei figuras dessa rainha em específico, mas uma rainha de um cupim qualquer deve evocar a memória da criatura do filme.

Claro que algumas rainhas modernas freqüentam academia, fazem dieta e deixam de usar o controle remoto enquanto seus funcionários continuam no batente.

Partindo para outras referências da cultura pop, temos a franquia de jogos de estratégia Starcraft.

Também conhecido como "a franquia de jogos mais legal de todos os tempos" (Camargos et al., 2002, 2003, 2004, 2005, 2006, 2007, 2008, 2009, 2010, 2011).

Longe de querer explicar a história do jogo (que tem a campanha mais envolvente e interessante que já vi em um jogo de estratégia), devo apenas apresentar uma das raças jogáveis: os Zergs. Além de terem esse nome de espécies de Star Trek, eles são assumidamente (pela Blizzard, empresa criadora) alienígenas insetóides.

Existe uma licença poética sobre genética molecular que dá um pouco da graça da raça. Os primeiros Zergs pareciam larvas de insetos ou grandes miriápodos (as larvas e os Cerebrates). Entretanto, eles possuíam uma incrível habilidade de incorporar o DNA de outras criaturas ao seu, criando assim, variedades bastante distintas a partir de uma larva similar.

As "pesquisas" da raça são "evoluções". As unidades não são "treinadas", são "geradas". As próprias construções da raça são transmutações que os Zangões (uma casta especializada em serviços brutos) realizam em criaturas sésseis.

Os Zergs são uma espécie com um complexo grau de socialidade. A maioria de seus indivíduos não fazem nada que não for ordenado pelos Suseranos, ou pelas Rainhas, ou pela Supermente (uma entidade quase mística que controla todos os Zergs). Toda essa divisão do trabalho, bem como o design das criaturas lembra muito insetos sociais e outros atrópodes.

Temos inclusive unidades no Starcraft 2 (que jogo!) como o Tatu-bomba, que se explode para jorrar ácido nas unidades inimigas (pobres humanos cretinos e miseráveis Protoss super-avançados). E é claro que a natureza já tem alguns bichos que fazem coisas parecidas por aí. Os operários de cupins do gênero Anoplotermes são um exemplo. Algumas espécies de formigas possuem castas suicidas que expelem seu conteúdo gástrico nos invasores das colônias também.

A idéia de alienígenas escravizando outras raças mais fracas também já foi utilizada pelos insetos. Já é bem conhecido o fato de formigas de diversas espécies protegerem agregações de pulgões em troca de fezes açucaradas.

"Eu já disse, dois gramas da sua merda e ninguém sobe nessa planta, rapá!"

A seleção natural ainda favoreceu, em alguns casos, afídeos que possuíssem suas bundinhas cada vez mais parecidas com cabeças de formiga. Isso ocorre porque, nessas espécies de pulgões, a solução açucarada sai muito mais fácil quando uma formiga a "ordenha". As formigas acabam apertando a traseira do pulgão e tirando as fezes achando que era uma colega de trabalho.

"Ei cara, eu já disse pra você parar de cumprimentar a minha bunda."

Os pulgões que possuíam as bundas mais parecidas com formigas eram mais protegidas pelas últimas, por oferecerem mais comida. Logo, durante várias gerações, essa característica acabou se fixando em determinadas populações.

Então a pecuária não é invenção nossa... mas nem a agricultura também. Muitas formigas, besouros e cupins cultivam fungos para sua alimentação. Alguns trabalhos recentes também mostram que alguns moluscos fazem o mesmo. Eu ainda tenho para publicar uns dados de uma larva lepidóptero (mariposa) aquático que cultiva seu jardim de algas para o jantar e ainda rouba mudinhas de outros jardins na sua fase mais moleque.

Temos também alguns insetos que se infiltram em colônias de insetos sociais para serem agraciados como rainhas ou larvas dessas colônias. A idéia é deixar operárias e soldados de outra espécie trabalharem enquanto a espécie pilantra recebe comida na boca, limpeza, toda a última temporada do House e massagem tailandesa sem ter que trabalhar.

Mais ou menos como este cara faria ao entrar nos Estados Unidos.

Já li em algum lugar também sobre alguma espécie de aranha (não um inseto, mas um artrópode legal, mesmo assim) que ataca uma patrulha de formigas, leva a cabeça de uma para comunicar com os soldados da entrada, tocando as antenas da cabeça com as antenas do soldado vivo, se infiltrar dentro da colônia e matar quem quiser.

Mais ou menos como este cara fazia.

Temos também aranhas que vivem em beiras de rios, que constroem suas teias logo acima de onde os insetos aquáticos mais desafortunados costumam emergir. Eu mesmo já tive o prazer de observar formigas no cerrado jogando o lixo da colônia no rio que passava logo ao lado da porta de trás da mesma. Poluição de córregos já é um problema antigo. E o que dizer dos besouros bombardeiros, os únicos organismos no planeta que criam reações de explosões para dizimar seus inimigos?

"Chineses uma ova, nós descobrimos primeiro!"

As larvas de Neuroptera que se enterram na areia e criam armadilhas para formigas parecidas com a do Sarlacc do Star Wars são fascinantes. Algumas ainda jogam areia nas formigas que tentam subir. Imagine o Sarlacc com um fuckin' ataque a distância!

"Que venha o Império Galático e a Aliança Rebelde. Eu atiro areia, otários!"


Infelizmente minha paciência está se esgotando, mas a quantidade de coisas legais que insetos fazem não. Nem falei dos grilos, esperanças, cigarras e larvas de tricópteros que cantam por estridulação, não falei dos tricópteros que constróem casulos portáteis ou fixos que podem ser roubados por outros indivíduos da mesma ou de outras espécies. Nem falei dos gerrídeos, percevejos aquáticos (que deslizam sobre a superfície) que caçam em um padrão parecido com ataques de lobos, etc. Nem todas as referências faziam parte da ficção científica ou da cultura pop necessariamente, mas eram exemplos interessantes para mostrar.

Mais do que isso, acredita-se que a maioria dos insetos ainda são desconhecidos. Mesmo as espécies conhecidas não são completamente estudadas, no que se refere aos seus hábitos de vida, comportamento, distribuição, signo, cor predileta e orientação sexual.

Não é de se espantar que muitas coisas que criamos, como nossas obras de ficção ou nossos avanços tecnológicos se inspirem nos insetos. Nós sempre olhamos para a natureza em busca de resposta, e como a maior parte da natureza são artrópodes, há uma grande probabilidade de copiarmos os insetos em muita coisa. Talvez até alguma peça shakespeareana tenha ocorrido antes com uma linda abelha rainha e seus 15 zangões apaixonados em seu amor proibido. Brincadeiras a parte, fica por aqui minha contribuição para o blog.


Suruba: uma arte muito antiga.





Lucas Skywalker é um entomólogo ferrado que encontra tempo na sexta a noite, morto de sono, para atualizar o blog.

9 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Luquinhas, meu querido. Muito legal o texto, ri demais das legendas. Continue fazendo esses links entre cultura pop e biologia que ficou bem legal.

    ResponderExcluir
  3. Nossa, cê é muito maluco, puta merda!!!
    Mas "eles" ganham! Malditas criaturas extraordinariamente fascinantes! Acrescentando, ainda tem aqueles que limpam a nossa sujeira e, como diz na música do rappa, "zeram do começo e apertam o play"! Intercedem entre o fim e o começo! Os insetos necrófagos (minha paixão) são a prova de que sempre recomeçamos! Mundo maluco, Mr. Skywalker! Por isso nós entomólogos temos essa cara de pirado! Adorei o texto! Massa que nem vc!
    Cheirão.

    ResponderExcluir
  4. haushuahsuhausas

    Putz, pirei no Sarlacc!
    Muito massa msm

    E eu aqui na abstinência de SC2 =/

    Abraço, seu puto!
    Betão

    ResponderExcluir
  5. Pois é, Luquete...

    Os insetos são realmente fodas...
    Toda a diversidade de formas e estratégias comportamentais do grupo sempre traz admiração aos que se atém a estudá-los.

    Pena que isso fique restrito a poucos que tiveram a oportunidade de estudá-los ou que assistem a um ou outro documentário legal.

    Me sinto privilegiado de ter o mínimo contato com os insetos, e todos entomólogos têm toda a razão de serem apaixonados por esse grupo tão fascinante, que muitas vezes sofrem com o estereótipo de bicho nojento ou de pragas...

    Realmente não é mera coincidência tantas referências...

    Belo post!
    Parabéns, safado!

    Bjim!
    xD

    ResponderExcluir
  6. Caramba...q tanto d coisa interessante

    E eu penssando q insetos se resumiam em: fazer 'estalos' legais qndo morrem naquelas raquetes de choque
    kkkkkk

    "E eu aqui na abstinência de SC2 =/" [2]

    ResponderExcluir
  7. hahahah seu canoeiro!!! ficou massa

    ResponderExcluir
  8. Muiyo boooooooom cara. Muito bom XD
    Legendas rules.

    ResponderExcluir